Projeto Quatro por 4

Projeto Quatro por 4: Em Águas Sombrias – Paula Hawkins +Novo Projeto

11/02/2018

Olá, boa noite leitores!

A resenha de hoje envolve o livro Em Águas Sombrias, da Paula Hawkins. Além disso, ao final do post tenho uma super novidade para compartilhar!

Editora: Record

Páginas: 364

Cuidado com superfícies muito calmas, nunca se sabe o que pode haver embaixo delas. Da mesma autora do best-seller internacional A Garota no Trem

Nos dias que antecederam sua morte, Nel ligou para a irmã. Jules não atendeu o telefone e simplesmente ignorou seu apelo por ajuda. Agora Nel está morta. Dizem que ela se suicidou. E Jules foi obrigada a voltar ao único lugar do qual achou que havia escapado para sempre para cuidar da filha adolescente que a irmã deixou para trás.

Mas Jules está com medo. Com um medo visceral. De seu passado há muito enterrado, da velha Casa do Moinho, de saber que Nel jamais teria se jogado para a morte. E, acima de tudo, ela está com medo do rio, e do trecho que todos chamam de Poço dos Afogamentos…

Com a mesma escrita frenética e a mesma noção precisa dos instintos humanos que cativaram milhões de leitores ao redor do mundo em seu explosivo livro de estreia, A Garota no Trem, Paula Hawkins nos presenteia com uma leitura vigorosa e que supera quaisquer expectativas, partindo das histórias que contamos sobre nosso passado e do poder que elas têm de destruir a vida que levamos no presente.

 

 Bia Constante – Books and Birds

UAU! Eu já conhecia a escrita da autora, tive a oportunidade de ler um tempo atrás A Garota no Trem e gostei muito, inclusive foi também graças ao mesmo que minha paixão por thrillers foi despertada. A Paula sabe como envolver o leitor da primeira a última página com trechos repletos de ação, mistério e temas impactantes. Este é o típico livro que você se sente próximo dos personagens e seus respectivos dramas de tal forma que é quase como se você fosse teletransportado para a história, sabe?!

Em Águas Sombrias conhecemos as histórias de várias mulheres que tiveram seus destinos interligadas por um rio. As mesmas foram encontradas sem vida no mesmo local e é em cima da investigação destas mortes que o enredo é trabalhado. Serão os boatos de suicídios reais? Ou será que há muito mais por trás destas tragédias?

Que história intensa! Os capítulos são alternados, ora narrados por um personagem, ora por outro, o que permite uma maior aproximação do leitor com a história e o faz conhecer cada angustia, medo e pensamento dos mesmos. Assim como penso que isso ajudou, também devo mencionar que inicialmente me senti muito incomodada com o grande número de personagens, pois são tantos que houve momentos que me senti perdida, que precisei parar e até mesmo retroceder para confirmar que não estava pensando no personagem errado, rs. Por isso, minha dica é que anotem os nomes e as características mais marcantes para não se perderem como me perdi. Além disso, há trechos da história que foram um tanto quanto lentos, que imagino que podem ter sido adicionados pela autora exatamente com o intuito de trazer para o leitor aquele clima de mistério e o desfecho, bem, eu esperava um pouco mais. Por fim, apesar destas pequenas ressalvas, foi uma ótima leitura, é um livro que te fará perder o ar e que te fará querer chegar as últimas páginas o quanto antes para poder, enfim, descobrir o desfecho e a real história por trás das águas sombrias do Poço dos Afogamentos.

 

Carla Lopes – Coelho da Lua

Achei impossível ler este livro sem lembrar da escrita da Gillian Flynn; o que não é nem de longe ruim, já que eu adoro ela! Aquela maneira familiar de explorar o lado sombrio da mente humana – especialmente ao abordar tragédias como as da história em questão.
Os capítulos mais curtos facilitaram muito a leitura, fazendo com que fosse muito mais rápida. Mas, por outro lado, foram tantas visões, tantos personagens diferentes dando a sua versão… que eu fiquei bastante confusa, tendo que parar algumas vezes a leitura para ter certeza de que estava pensando na pessoa certa. Rs
De uma leitura fácil e escrita fascinante, a autora nos conecta aos personagens de maneira tão impressionante, que mais de uma vez me peguei sentindo a mesma agonia/aflição que os mesmos.
Mantendo-nos presos até o último instante, refletindo sobre o quanto, muitas vezes, nosso ódio e as “verdades” que criamos na nossa cabeça nos cegam.
Bom, talvez, só talvez, agora eu tenha vontade de ler o outro livro da autora, e aumente minha listinha. (Riso nervoso!)

 

 Camila Melo – A Bookaholic Girl

Depois de A garota no trem Paula Hawkins conseguiu me conquistar novamente, tornando Em águas sombrias uma das minhas leituras favoritas no início desse ano. As diversas perspectivas narrativas, (motivo este que desagradou a muitos leitores), com personagens não confiáveis e fatos mudando a cada página, foram para mim o grande diferencial na história, deixando a trama totalmente envolvente do começo ao fim. A autora abordou a temática do feminicídio, abuso e violência contra a mulher de maneira muito profunda e angustiante, que fez meu coração se apertar em diversos momentos. É difícil falar muito sobre o livro sofrendo o risco de dar spoilers, mas é uma leitura extremamente fluída, confusa no começo por conta dos diversos pontos de vista como disse anteriormente, exigindo um pouco de mais atenção do leitor para ligar o nome dos personagens aos fatos que eram narrados. Eu com certeza indico este livro, principalmente para os fãs de thrillers eletrizantes desses que Paula Hawkins sempre consegue construir.

 Geovana Rodrigues – Inícios Marcantes

Ainda estou muito confusa sobre os meus sentimentos a cerca da história. No momento exato em que terminei o livro, quase gritei de indignação! Nunca na vida que eu ia imaginar que teria acontecido o que aconteceu, (essa é uma parte que tenho que destacar: a autora soube fazer uns mistérios maravilhosamente bem! Cada capítulo que eu iniciava, mudava de suspeito, odiava outro personagem…). Um ponto negativo, foi o início, muitos personagens entrando de uma vez, me deixou confusa; De vez em quando eu lia um nome e ficava me perguntando: quem era? De onde surgiu essa pessoa? Mas logo me acostumei e a narrativa voltou a fluir. Entretanto, não consegui apegar-me aos personagens, não sei o que aconteceu dessa vez, achei arrastado, e de vez em quando surgia uma vontade de abandonar o livro, mas continuei firme, e a minha recompensa veio com o final. Sim, como disse acima, a indignação reinou, mas foi uma indignação do bem (se é que isso existe hahaha), pois foi surpreendente! Um dos melhores finais que já li. Bem amarradinho! Enfim, não me agradou muito, mas pretendo dar uma nova chance para a autora.

Como de costume, ao final dos posts sempre anunciamos qual será o novo título escolhido para a leitura do próximo mês, contudo neste será um pouco diferente e sabe por quê? Porque é com uma grande alegria que conto para vocês acerca de um novo projeto chamado Like the Blue Bird. O intuito do mesmo é lermos o mesmo livro assim como no projeto Quatro por 4, porém o que difere é que os títulos precisam ter até 200 páginas e o grande DESAFIO envolve falar sobre o que achamos em até 288 caracteres! Por fim, além dos blogs participantes do projeto Quatro por 4, teremos a participação da Adriana, do blog Uma Paixão Chamada Livros. Seja muito bem-vinda, Adri!

Estou super animada e curiosa para saber como vou me sair, ainda mais que adoro escrever resenhas “grandinhas”, hahaha! O título para a primeira leitura já foi sorteado, é o Como eu Imagino Você, do Pedro Guerra.

Editora: Gutenberg

Páginas: 192

Não consigo definir o formato do seu rosto, muito menos se aquele borrão embaixo é uma barba rala ou não. Percebo que o cabelo é volumoso e tento desenhar na minha mente as ondas que aqueles fios formam.

Uma doença rara diagnosticada na infância nunca impediu Helena de enxergar o mundo, e mesmo com todos os obstáculos, ela é uma jovem alegre, independente e muito sensível.

Mas é à noite que Lena sente seu coração se encher de dúvidas e agitação ao se “encontrar” com um misterioso rapaz que surge constantemente em seus sonhos. E, apesar de não enxergá-lo com nitidez, ela sabe exatamente como ele é.

Um dia, seus pais precisam fazer uma viagem e a jovem é obrigada a ficar sozinha em casa. Quer dizer… não totalmente sozinha. Sua mãe havia contratado um rapaz para cuidar do jardim.

E aquilo que parecia ser uma visita indesejada pode trazer uma enorme mudança em sua vida. Para sempre…

“Posso vê-lo mais do que a minha capacidade de enxergar permite.
Consigo ver que ele é diferente.”

O que acharam das resenhas? E o novo projeto? Já leram o título? Se sim, o que acharam da história? Me contem nos comentários!

Boa leitura, beijos!