Resenhas

[Resenha] Mais Lindo Que a Lua – Julia Quinn (Série Irmãs Lyndon #1)

07/02/2018

Olá, boa tarde leitores!

A resenha de hoje envolve o livro Mais Lindo Que a Lua, o primeiro da duologia Irmãs Lyndon, da queridíssima Julia Quinn. Devo começar esta resenha mencionando que a maior parte das resenhas e comentários que tenho visto nas redes sociais não são positivos, pelo contrário, a maioria “detona” profundamente a obra e como eu gosto sempre de ter a experiência para poder opinar, é com muita animação que venho contar para vocês o que achei e pontuar os pontos positivos e negativos!

Victoria Lyndon, a filha mais velha do vigário, acaba de chegar na nova cidade e justamente quando não está em uma posição muito apropriada é surpreendida por Robert. Robert Kemble, o conde de Macclesfield, assim que se depara com a jovem, surpreendentemente se apaixona, ele não consegue explicar o sentimento, apenas sente que encontrou seu grande amor.

Amor verdadeiro ou não, depois de algum tempo se encontrando, os jovens começam a pensar em casamento, porém os pais de ambos não concordam, o de Robert pensa que a jovem apenas se interessa pelo dinheiro do filho e o pai de Victoria acha que o conde quer apenas seduzi-la para se aproveitar e depois abandoná-la. Como o casal não aceita essa proibição, decidem fugir, contudo os patriarcas novamente se intrometem e o que resultaria em um “viveram felizes para sempre” ou quase isso acaba se transformando em lágrimas, abandono e mentiras.

Sete anos depois…

Victoria depois de ter se iludido com a pessoa que pensou que a amava, se muda para bem longe de casa e começa a trabalhar como preceptora. Ela não gosta do que faz, sempre é maltratada, contudo como precisa do dinheiro, tenta a todo custo se manter calma.

Robert, depois de ter seu coração destruído, se muda para Londres e começa a construir sua própria fortuna. Desacreditado do amor, ele não se importa mais com sentimentos e apesar de ainda ter nos seus pensamentos o rosto de uma pessoa, ele faz de tudo para esquecer este fato nos braços de outras mulheres, mulheres estas que ficam em sua cama por apenas uma noite.

Destino ou mera coincidência, Victoria e Robert acabam se reencontrando em uma reunião na casa da patroa da primeira e a reação de ambos não é das melhores, ela o culpa por tê-la abandonado e se aproveitado e ele a culpa por simplesmente tê-lo abandonado e pensado apenas em interesses materiais. Como o ódio e o amor andam lado a lado, o casal perceberá bem antes do que imagina que o sentimento que estava até então adormecido, não somente poderá despertar como também poderá revelar desentendimentos e mentiras do passado.

Será a vingança mais valiosa que o amor?

Logo no início do livro a autora já aborda que a história possuirá o tal “amor à primeira vista” e que até o momento anterior a escrita do livro não acreditava, mas que posteriormente começou a crer. Achei este fato tão engraçado, porque eu particularmente não acredito e mesmo depois de ter finalizado a leitura continuo não acreditando, penso que não é algo tão simples e que envolve muitas variáveis para que possa ocorrer. O amor é um sentimento complexo e acreditar que ele pode nascer assim em um mero segundo é um pouco curioso, não acham?! Contudo, devo confessar que exatamente por não acreditar que fui tão atraída pela sinopse. Penso que esta nova abordagem que até então não tinha visto tão diretamente nas obras da autora foi muito interessante!

Mais Lindo Que a Lua foi escrito em 1997 e é notável o quanto a escrita da autora amadureceu desde então, digo tanto em relação a construção do enredo como em relação aos personagens. Eu comecei a ler este livro no domingo à noite e fui tão cativada que quase finalizei no mesmo dia, apenas não o fiz, pois queria dormir, contudo acabei por “devorá-lo” no dia seguinte e gostei muito da história! Foi o livro certo no momento certo! Estava muito desanimada e triste devido a alguns acontecimentos recentes e a Julia conseguiu me envolver de tal modo que por alguns minutos pensei apenas no casal principal e seus problemas e consegui abstrair do meu momento atual e até dar boas risadas. Por que estou detalhando tanto? Porque apesar de não ter sido o livro que mais gostei da autora, tive uma boa experiência e li tantos comentários negativos que estou tentando compreender melhor. Robert, o protagonista, foi visto por muitos leitores como obsessivo e machista e apesar de eu ficar repassando os trechos e ter ficado sim surpresa com alguns, não acho que seja para tanto, afinal estamos falando de uma época que as mulheres tinham como único intuito na vida o casamento e filhos e neste livro o protagonista se apaixona perdidamente à primeira vista e EU não acredito que um sentimento possa surgir assim, mas conheço pessoas que acreditam e que passam por isso, enfim, portanto ele vai atrás dela e ela acaba retribuindo o sentimento, tanto que eles chegam a se encontrar frequentemente até o ponto de separação e a questão da obsessão, por favor, já li tantos livros que mostram muito mais, livros estes que são exaltados nas redes sociais que acho um pouco de hipocrisia, até porque a autora soube muito bem como conciliar o drama com o humor! Ao meu ver o personagem insiste, pois sabe/sente que ela gosta dele e não porque ele é obsessivo e sabemos claramente disso quando a autora nos mostra os pensamentos da personagem que se sente insegura acerca dos seus sentimentos por medo de sofrer e não por achar que é um relacionamento abusivo. Por fim, é bem verdade que autora poderia ter trabalhado um pouco mais neste desenvolvimento e até no comportamento dos personagens que penso eu que se fossem escritos atualmente provavelmente seriam distintos, pois há trechos que falta um quê a mais, aquele que nos seus últimos romances lançados encontramos na dose certa, mas ainda assim acho um romance envolvente e perfeito para se ler no domingo, para curar ressacas literárias e para dar boas risadas!

Gostei muito do fato do personagem Robert ser meio geek e gostar de ciência, astronomia e até seu perfeccionismo me encantou, haha! Victoria é uma jovem adorável, forte e que mesmo quando se mostra insegura sabe do que quer, só tem medo de sofrer, o que é plenamente normal devido as experiências vividas no passado! Eu não poderia deixar de mencionar o quanto gostei de Eleonor, a irmã caçula de Victoria, uma jovenzinha genial que possui bom humor e sabe muito bem como administrar suas finanças, hihi! Por fim, não posso deixar de falar da tia de Robert, que personagem maravilhosa! Ela seria uma construção mais leve da nossa querida e amada Lady Danbury, haha!

Eu me diverti demais e apesar das ressalvas, adorei a história e recomendo! Mal posso esperar para ler a continuação, estou super curiosa para conhecer mais acerca de Eleonor!

Quotes ?

E se você ainda está em dúvida se deve ou não ler, eu sugiro fortemente que você leia e expresse sua opinião, penso que em casos de livros que possuem um grande volume de comentários negativos e/ou em casos de livros que abordam polêmicas ou assuntos intensos é fundamental lermos para formarmos nossas ideias! É sempre muito bom poder conhecer novas opiniões e refletir acerca dos pontos mais notáveis!

Amazon

Comprando através do meu link, eu ganho uma pequena comissão! ?

Boa leitura, beijos!